Os 4 cantos de Berlim

Berlim é uma cidade muito interessante e acredito que parte disso se deve ao fato dela ter sido dividida em 4 zonas de ocupação durante o período da Guerra Fria (Kalte Krieg). A divisão não foi somente entre Alemanha Oriental (Ost- Berlin) e Alemanha Ocidental (West-Berlin), além dessa divisão o lado ocidental ainda era divido entre 3 países: França (Frankreich), Reino Unido (Großbritannien) e Estados Unidos da América (den Vereinigten Staaten von Amerika). O lado oriental foi ocupado pela União Soviética (Sowjetunion).

A divisão aconteceu no final da Segunda Guerra Mundial (Zweite Weltkriege) após a rendição da Alemanha (Kapitulation) Isso fez com que, mesmo após a reunificação da Alemanha em 1990, Berlim ainda tivesse algumas peculiaridades em seus bairros.

Pra quem está procurando um novo endereço em Berlim pra chamar de lar, é interessante saber quais bairros pertenciam a quais países e quais as características que os diferenciam, aí vão algumas coisinhas que observei neste meu primeiro ano morando em Berlim.

Berlim Francesa

20151224_130036-1
Siegessaule, a estátua não fica na área francesa, mas é de origem francesa. A está fica localizada no meio do Tiergarten. Acervo pessoal.

Os bairros ocupados pela França foram:

Wedding – bairro conhecido por ter uma grande quantidade de imigrantes, alguns falantes da língua francesa.

Reinickendorf –  bairro que abriga o aeroporto Tegel.

Berlim Britânica

20151224_122650-1
Tiergarten. Acervo pessoal.

O lado Britânico acabou se tornando o lado mais rico e caro de Berlim.

Spandau – às margens do rio Havel, é um bairro bem afastado do centro, tem uma pequena floresta, a Spandauer Forst e abriga o Zitadelle, local com um forte, um museu e espaço para eventos e concertos.

Charlottenburg – os prédios chics e as lojas de grifes famosas se encontram aqui, junto com prédios mais charmosinhos, baixos e antigos, habitados em boa parte por velhinhos. É um bairro tranquilo e bonito pra se morar. Neste bairro também ficam o Palácio de Charlottenburg e a igreja destruída (Kaiser-Wilhelm-Gedächtnis-Kirche), a igreja era uma homenagem a Wilhelm I, rei da Prússia que se tornou o primeiro rei da Alemanha, durante a II Guerra Mundial ela foi bombardeada e o que sobrou se tornou um memorial da guerra. Em volta dela há um mega centro capitalista cheio de lojas famosas e lugares para comprar souvenirs. Charlottenburg também é onde fica a TU (Technische Universität Berlin).

Wilmersdorf – bairro que faz divisa com Charlottenburg, também cheio de prédios chics e lojas de grife.

Tiergarten – o bairro é 50% ocupado pelo Tiergarten, restante que sobra fica o Zoológico, a Orquestra Filarmônica de Berlim, a enorme biblioteca estadual e o museu Kulturforum, ou seja, área mega turística que fica próxima à Postdamer Platz.

Moabit – bairro da região central de Berlim, mas um pouco fora do roteiro mega-turístico. Abriga a Hauptbahnhof, estação central de trem de Berlim, de onde partem os trens para outros países da Europa.

Berlim Americana

IMG_2304
Street Art in Berlim, herança cultural americana. Acervo pessoal.

Os americanos trouxeram muito da sua cultura para os bairros que ocuparam. Estes bairros são até hoje mais escolhidos pelos imigrantes de diferentes nações para morar.

Kreuzberg – era inicialmente habitado pelos imigrantes turcos e hoje virou um bairro recheado de bares, restaurantes e baladas. Bairro queridinho dos turistas atrás de badalação e muito frequentado pelos hipsters, punks e outras tribos. Bom lugar pra procurar por lojas de roupas e acessórios alternativos.

Neukölln – bairro vítima da gentrificação, inicialmente era um bairro de proletários e imigrantes, devido a grande quantidade de restaurantes, cafés, bares e galerias de arte, aos poucos foi se tornando point e ocupado por turistas e imigrantes endinheirados, como consequência disso os aluguéis aumentaram de preço.

Schöneberg – bairro mais gay friendly de Berlim, se você é homofóbico não passe por aqui, aliás se você é homofóbico, Berlim definitivamente não é o seu lugar, beijos e procure outra cidade pra visitar ou morar 🙂 A “montanha bonita” é recheada de bares e restaurantes (recomendo muito os hamburgers do Zsa Zsa) voltados para o público gay e lojas de roupas alternativas.

Tempelhof – abriga o aeroporto desativado de mesmo nome, que atualmente é um parque, lugar perfeito pra andar de bike, skate ou patins. De vez em quando rolam alguns eventos e concertos no local.

Steglitz – bairro afastado do centro, mas com comércio bastante intenso. É o bairro onde fica o Botanischer Garten Berlin, e a FU (Freie Universität Berlin), dentro do distrito de Dahlen.

Zehlendorf – longe do centro, abriga um pedaço do Grunewald, pequena floresta às margens do rio Havel. Possui casas grandes, com belos jardins e famílias abastadas.

Berlim Soviética

IMG_3203.JPG
“O Beijo da Morte”, de Dimitri Vrubel. Mostra o beijo dos líderes comunistas Brezhnev e Honecker. Acervo pessoal.

O lado oriental de Berlim, que fazia parte da antiga DDR (Deutsche Demokratische Republik) é o lado menos industrial e  menos abarrotado de lojas. As ruas são mais arborizadas, os prédios são mais baixos, tem as linhas de Strassenbahn, ônibus elétricos de Berlim, chamados de trólebus em São Paulo. As linhas de ônibus elétrico não existem do lado ocidental.

Mitte – O “meio” de Berlim, o roteiro turístico passa por aqui, cuidado com os batedores de carteira sempre presentes nas grandes metrópoles e aglomerações de turistas. Mitte é onde fica o centro histórico de Berlim com o Brandenburger Tor, o Memorial do Holocausto, o Checkpoint Charlie, a Museum Insel, o Hackescher Markt, a Alexander Platz com suas milhares de lojas, a Fernsehturm e o Nikolaiviertel, o quarteirão medieval. O bairro abriga também a HU (Humboldt-Universität zu Berlin), primeira universidade de Berlim.

Prenzlauer Berg – ou o querido P-Berg, o bairro das crianças, aqui deve estar a maior concentração de Kinderwagen (Carrinhos de bebês) de Berlim, bairro bem família, mas também cheio de bares e restaurantes legais. Recomendo conhecer os restaurantes vietnamitas do lugar.

Friedrichshain – bairro vizinho de Kreuzberg e tão alternativo quanto. Os dois bairros são separados pelo rio Spree e atravessando a ponte Oberbaumbrücke você pode transitar facilmente de um lado para o outro (sem se preocupar com a Stasi) e curtir os bares e baladas dos dois lados. A Revaler Strasse e a Simon-Dach-Strasse, são as ruas da badalação nesse bairro. Se joga!

Pankow – o bairro dos velhinhos, bem localizado, perto do centro e perto do aeroporto Tegel, Pankow é um bairro tranquilo cheio de velhinhos e jovens famílias que aos poucos vão ocupando as Wohnungen (apartamentos) deixadas pelos velhinhos. Ninguém dura pra sempre…

Weißensee – bairro tranquilo que tem um parque de mesmo nome com um lago que no verão enche de alemães adeptos do FKK (Frei Körper Kultur) e no inverno congela.  O FKK, cultura do corpo livre surgiu na Alemanha Oriental como forma de protesto contra a ditadura na época da DDR. O pensamento era, não posso fazer nada, não posso comprar o que eu quero, não posso viajar e atravessar pro outro lado do muro, não posso falar mal do governo, mas meu corpo é livre!

Hohenschönhausen – bairro vizinho do Weißensee, tão arborizado e tranquilo quanto. Abriga o Gedenkstätte Berlin-Hohenschönhausen, hoje é um memorial aberto à visitação, mas durante o período da Alemanha dividida era mais conhecido como “a prisão da Stasi“, lugar para onde todos os que se manifestavam contra o regime comunista eram enviados, investigados, torturados e detidos como presos políticos.

Lichtenberg – também conhecido como a “Asiatown” de Berlim devido à grande quantidade de imigrantes vietnamitas se instalaram no local após o término da segunda guerra mundial. É um bairro interessante, mas infelizmente já ouvi relatos de gangs neo-nazi pelo lugar.

Marzahn e Hellersdorf – estes 2 bairros por serem bem afastados do centro possuem aluguéis mais baixos, detalhe que atraiu os imigrantes russos-alemães  (russos com descendência alemã), que chegaram aqui após a queda do muro de Berlim e o final da Guerra fria.  Estes 2 bairros também tem a presença de grupos neo-nazi.

Treptow – é um bairro bem grande, com uma grande área verde e uma área industrial. Metade do bairro é ocupada pelo Treptower Park e é neste mesmo bairro que fica a escultura do Molecule Men no rio Spree. Este bairro fica perto de Kreuzberg e Friedrichshain.

Köpenick – situado ao sudeste de Berlim e bem afastado do centro, é um bairro um pouco mais caro e muito bonito, com muito verde  e o Müggelsee, um lago enorme e lindo que merece ser visitado. Dependendo de onde você estiver neste bairro você vai conseguir ver os aviões que saem e chegam no aeroporto de Schönefeld.

Pra entender Berlim

Um fato curioso sobre Berlim é que, durante todo o período de Guerra Fria, a cidade se tornou palco de propaganda pró – capitalismo do lado ocidental e pró – comunismo do lado oriental. Cada lado queria mostrar que o seu lado era melhor e as pessoas eram mais felizes e por isso investiam na reconstrução da cidade. Claro que o lado ocidental com USA, Reino Unido e França investindo se deu melhor nessa e várias pessoas do lado oriental tentavam fugir para o lado ocidental.

Guias de viagem, clique na imagem da capa para ver mais detalhes no site da Amazon.

Publicado por Lili

Leia também www.berlili.wordpress.com

%d blogueiros gostam disto: